1 de novembro de 2019

Excesso de banhos em cães e gatos: atenção aos cuidados no calor

Se preferir, ouça a matéria:

Conforme os dias ficam mais quentes, o que a gente mais quer é ir para o chuveiro dar aquela refrescada. Muitos donos de pet acreditam que os animais também curtem. Mas é preciso ficar atento ao excesso de banhos em cães e gatos, mesmo que eles pareçam desconfortáveis com o calor.

É preciso lembrar que as necessidades higiênicas dos pets são diferentes das nossas. Por isso, banhos demais podem até fazer mal para a saúde deles. Para evitar que isso aconteça, a primeira regra é: nada de banhos diários. Nem mesmo com intervalo muito curto de tempo.

SAIBA MAIS: BANHO E TOSA: CUIDADOS COM A SAÚDE E HIGIENE DO SEU PET

Para entender os riscos que os pets correm quando recebem banhos demais, continue a leitura. Descubra também a frequência correta e o que fazer quando surgirem alergias ou outros problemas dermatológicos em cães e gatos. 

O que o excesso de banhos em cães e gatos pode causar

Se você dá banho em seu pet achando que vai oferecer para ele uma sensação de bem-estar prolongado, está cometendo um erro. A água até refresca os animais por um tempo. Mas se o clima está quente, logo eles sentem o mesmo calor de antes.

Além disso, o intervalo curto entre um banho e outro pode remover a proteção natural que cães e gatos têm na pele. Dessa forma, ficam mais expostos a problemas dermatológicos, como alergias, bactérias e fungos. 

Outra consequência é que, com o pelo limpo demais, a derme produz mais cebo e, ao contrário de ficarem mais cheirosos como se espera, irão produzir odores desagradáveis.

Sem falar que, para os cães em especial, o odor característico que exalam serve como fator de comunicação com outros animais. Assim, ficar sem o seu cheiro pode afetar seus sentidos.

Qual a frequência ideal para evitar o excesso de banhos em cães e gatos

Como já falamos, apesar de parecer lógico, o excesso de banhos em cães e gatos não pode ser usado como alternativa para refrescar os pets. Na maioria dos casos, a frequência ideal deve levar em consideração o tipo de pelo, a raça, o ambiente em que o animal vive e seus hábitos. Bem como a saúde da pele e do pelo do pet.

Mas, de forma geral, assim como em outras épocas do ano, o indicado é que os cachorros sejam banhados a cada 15 dias. Já para os gatos, não existe uma regra ou proibição, pois alguns se habituam muito bem aos banhos. Os que se enquadram nesse grupo, podem ser banhados uma vez por mês para que fiquem limpos. Mas, como os felinos têm a fama de serem “autolimpantes”, a escovação frequente auxilia no processo de higienização.

Para evitar os problemas com banhos demais, prefira escovar os pets para retirar as células mortas e os pelos soltos. Principalmente para aqueles de pelagem longa.

No dia do banho é importante aproveitar o momento para colocar em dia outros cuidados com a higiene. Em casa ou na pet shop, examine a pele do cão em busca de alergias ou outros problemas. Também verifique se há acúmulo de cera nos ouvidos, se os dentes estão limpos e as unhas aparadas.

SAIBA MAIS: 5 DICAS PARA A LIMPEZA CORRETA DAS ORELHAS DOS PETS

O que fazer em casos de alergias

Nos casos em que cães e gatos apresentam qualquer alteração na pele, como manchas, feridas ou vermelhidão, o primeiro passo é procurar um Médico Veterinário. O especialista vai examinar o animal e fazer o diagnóstico mais preciso para indicar o tratamento ideal.

Seja por excesso de banhos ou por outras causas, as doenças dermatológicas em cães e gatos podem ser tratadas com Dermagard. O produto é um shampoo à base de peróxido de benzoíla indicado para curar seborreia, dermatites e piodermites profundas.

O medicamento já vem pronto para uso e deve ser aplicado diretamente no pelo molhado até formar espuma. Após o enxágue, repetir o processo e deixar agir por 10 minutos antes de retirá-lo por completo.

É importante lembrar que este produto é um medicamento e seu uso é exclusivo para tratamento de doenças dermatológicas. Por isso, não é indicado para animais saudáveis que não apresentam sinais de coceiras ou alergias.

Evite a desidratação dos animais

Se nos dias quentes a gente deve evitar o excesso de banhos em cães e gatos, o mesmo não vale para a quantidade de água que os pets precisam. O ideal é que os animais sempre tenham água à livre demanda. Com temperaturas altas é importante lembrar de repor o líquido com mais frequência e oferecer sempre água fresca.

© LABGARD SAÚDE ANIMAL BE220