1 de março de 2021

Comportamento canino: filhotes podem aprender com os pets mais velhos

Se preferir, ouça a matéria:

O comportamento canino tem várias características que os tutores só conseguem identificar durante a convivência com o pet. Uma delas é que os filhotes tendem a imitar o que os cães mais velhos fazem. 

Isso pode ser positivo se o cão com mais idade for adestrado e obedecer regras. Mas também pode ser ruim se ele não tiver bons hábitos, porque assim o filhotinho pode levar mais tempo para ser educado.

Lidar com os filhotes é sempre uma experiência surpreendente, pois cada cão se comporta de uma forma. Além disso, os pequenos podem ser verdadeiras caixinhas de surpresa, já que ainda não possuem vícios comportamentais. Conforme vão crescendo, podem adquirir tanto os hábitos ensinados pelos tutores quanto aqueles que os outros cães da casa já apresentam, como fazer xixi no mesmo lugar. 

SAIBA MAIS: COMO CUIDAR DE FILHOTES NOS PRIMEIROS 120 DIAS DE VIDA

Mas não é apenas com cães filhotes que isso acontece. Se você adotar um pet já adulto, com o tempo ele também pode se comportar como o outro cachorro da casa. Afinal, é comum que o pet recém-chegado reproduza o que vê, pois a imitação está presente no comportamento canino.

Com o tempo, você pode perceber que o morador mais novo segue o outro pela casa e presta atenção em tudo que ele faz. Essa relação entre eles será totalmente útil para você, principalmente para fazer a adaptação do pet ao novo lar.

comportamento canino

Tipos de comportamento canino que os pets mais velhos ensinam

Existem várias coisas que um cão pode aprender com o outro. O que está chegando agora em casa, por exemplo, pode ter alguns medos, como de entrar no carro ou de se aproximar das pessoas. Quando ele vê o mais velho fazendo isso com facilidade, a tendência é que repita os movimentos. Assim, fica mais fácil romper a barreira.

Outro ponto do comportamento canino que preocupa os tutores é que aprendam o local certo para fazer as necessidades. O tempo que o pet mais antigo levou para aprender onde fazer xixi e cocô pode ser reduzido dessa vez. Afinal, a tendência é que o mais novo observe e faça igual, mesmo sem o tutor ensinar. Agora, se o cão que já mora com você não mantém bons hábitos, ter um novo pet por perto pode ser a oportunidade para educar os dois ao mesmo tempo.

É importante lembrar que cada cão é diferente e apresenta comportamento próprio. Por isso, nem sempre a imitação vai acontecer e é preciso ter paciência com o novo integrante da casa.

E quando o mais velho não aceita o recém-chegado?

O desejo dos tutores que já têm um cão em casa é que o irmão mais velho influencie o menor com seus bons hábitos. Porém, nem sempre isso é possível, pois o morador mais antigo pode não aceitar a presença de um novo pet. Pode acontecer dele ficar acuado e recusar a aproximação. Nesses casos, nada de forçar a convivência. O ideal é incentivar a socialização dos pets de uma forma natural e não invasiva. Por isso, nunca agarre um dos cães enquanto aproxima o outro. Se fizer isso, ele pode se sentir vulnerável, tenso e com medo.

SAIBA MAIS: 9 CURIOSIDADES SOBRE OS CÃES QUE VOCÊ PRECISA CONHECER

comportamento canino

Existem alguns truques que podem auxiliar no momento da apresentação de um cão para o outro. Confira:

1 – Contato visual

O primeiro passo quando o novo morador chega é deixar que estabeleçam apenas contato visual. Melhor ainda se for através de uma porta de vidro, assim eles só enxergam um ao outro mas não se aproximam.

2 – Contato físico inicial

No dia seguinte, eles podem ficar mais próximos para iniciar o contato físico. Mas, novamente, é preciso deixar alguma barreira entre eles, como a caixinha de transporte ou alguma cerca.

3 – Contato físico e olfativo

O terceiro dia é aquele em que os pets já podem ser colocados mais próximos. Com os dois cães na guia, permita que eles cheguem perto um do outro e se cheirem.

4 – Interação sem barreiras

Se deu tudo certo até aqui, o quarto dia é quando eles poderão interagir sem qualquer barreira. Mas sempre com a supervisão dos humanos.

Daí em diante, é preciso atenção a alguns detalhes do dia a dia que também facilitam a convivência entre os dois. Entre eles, providenciar comedouros separados e em locais afastados um do outro. Ou ainda, disponibilizar brinquedos individuais e oferecer carinho e cuidado na mesma medida para que nenhum se sinta excluído.

© LABGARD SAÚDE ANIMAL BE220