21 de setembro de 2021

Cães e gatos no pós-pandemia: seu pet está pronto para ficar sozinho?

Há algum tempo, a maioria dos pets só via seus tutores no início da manhã e ao final do dia. Mas desde que a Covid-19 se alastrou e o isolamento social foi necessário, essa rotina mudou para muitos deles. Com as pessoas mais tempo em casa, a relação entre humanos e animais ficou mais próxima. Mas você já parou para pensar como será o comportamento de cães e gatos no pós-pandemia, quando passarem a ficar sozinhos?

Com o novo cenário, alguns animais podem sofrer com a dor ou ansiedade da separação. Dessa forma, tendem a apresentar reações inesperadas, como xixi e cocô fora do lugar, destruição de objetos e até lambedura excessivas.

Para quem adotou um pet durante a pandemia, pensar em como vai ser esse momento é ainda mais importante, pois provavelmente o animalzinho nunca esteve muito tempo sem os humanos em casa.

Para evitar que os pets sofram, o ideal é prepará-los desde agora para quando o momento da separação for inevitável. Uma forma de fazer isso é estimular a independência deles.

SAIBA MAIS: DICAS PARA LIDAR COM A ANSIEDADE DA SEPARAÇÃO NOS PETS


Cães e gatos no pós-pandemia

Como estimular a independência de cães e gatos no pós-pandemia

Com as relações presenciais limitadas, muitas pessoas transferiram para os pets sua atenção. Dessa forma, além de estreitar o relacionamento, acentuaram a dependência emocional dos animais. E isso não se restringe apenas aos cães, pois os gatos também curtem estar junto dos seus humanos, apesar da fama de independentes. 

Por isso, deixar cães e gatos sozinhos em casa após terem passado meses com a presença de pessoas por perto pode causar mudanças comportamentais e até estresse e ansiedade.

Mas para que a sua saída de casa não se torne um transtorno nem cause problemas emocionais, você pode fazer uma espécie de treinamento gradual que prepare o pet para a separação. Confira algumas dicas:


Cães e gatos no pós-pandemia

Pré-separação:

– Coloque os brinquedos dele em outro cômodo da casa e não fique junto

– Em alguns momentos do dia, fique em um ambiente onde o pet não tenha acesso a você

– Faça testes de distanciamento. Saia para o lado de fora da casa ou apartamento e fique alguns minutos longe da visão dele. Observe se nesse período ele late, mia ou chora. Nos dias seguintes, aumente o tempo fora gradualmente.

Quando precisar sair:

– Livre-se dos perigos que ficam à disposição deles, como pequenos objetos no chão ou itens de decoração que podem quebrar ou sejam afiados.

– Avalie deixar uma televisão ou rádio ligados, pois eles devem estar habituados com esse som ambiente. Existem até playlists para acalmá-los.

– Deixe alguma roupa sua à disposição do animalzinho, pois dependendo do nível de dependência que ele tem, seu cheiro pode acalmá-lo.

– No retorno para casa, faça apenas um carinho breve e não fale imediatamente com ele. Assim você evita que ele fique eufórico ou ansioso com sua presença.

– Nos dias que estiver mais tempo em casa, estabeleça um tempo para ficar juntinho do pet e também programe momentos de isolamento.

© LABGARD SAÚDE ANIMAL BE220