11 de setembro de 2018

Desverminar cães e gatos: prevenção para toda vida

Quem escolhe dividir o lar com os pets precisa saber que desverminar cães e gatos é uma tarefa para ser feita periodicamente, durante toda a vida do animal. Todos eles, desde filhotes até os mais idosos estão sujeitos à contaminação por parasitoses e verminoses que atingem o trato gastrointestinal. Por isso, é importante manter a prevenção por meio do uso de vermífugos.

SAIBA MAIS: VERMÍFUGOS – OS PETS PRECISAM DELE

Mas, afinal, de quanto em quanto tempo o medicamento pode ser dado ao pet? A mesma dosagem serve para cães e gatos? Continue a leitura e descubra as respostas destas e de outras perguntas que muitos tutores fazem quando o assunto é vermifugação.

1 – Quando devo desverminar cães e gatos?

O primeiro passo antes de dar qualquer medicamento para os animais é consultar um médico veterinário. Ele irá orientar sobre a dosagem correta e a frequência que o pet deve ser desverminado. Mas, de forma geral, os filhotes de cães e gatos devem ser desverminados logo nos primeiros dias de vida para evitar infestações parasitárias internas. O indicado é que as primeiras doses sejam dadas aos 15, 30 e 45 dias, em quantidade proporcional ao peso dos filhotes e conforme orientação do médico veterinário. Após esse período, 3 vezes ao ano eles precisam de novas doses de vermífugo para se manterem saudáveis. Porém, no caso dos gatos que possuem uma vida mais ativa, ficam na rua e convivem com outros felinos, pode ser necessário desverminá-los com mais frequência.

2 – Cães e gatos recebem a mesma dosagem de vermífugo?

A quantidade do medicamento que será administrada leva em consideração o peso corpóreo do animal e não sua espécie ou raça. No caso do Vermegard, vermífugo de amplo espectro desenvolvido pela Labgard, a indicação é que  o pet receba um comprimido para cada 5 quilos de seu peso. O medicamento é o único no mercado com fórmula que combina fembendazol e praziquantel, por isso é um dos mais indicados pelos médicos veterinários para fazer a rotação e evitar a resistência dos vermes a outros princípios ativos utilizados.

SAIBA MAIS: COMO IDENTIFICAR OS SINTOMAS DA GIARDÍASE EM CÃES E GATOS

3 – Animais que já estão com vermes podem ser medicados?

Sim. Os vermífugos são usados tanto para prevenir a contaminação por vermes como para combater sua ação no corpo do animal após o contágio. Quando a medicação possui larga margem de segurança, pode ser oferecido até mesmo às fêmeas prenhes ou no período de amamentação para deixar a mãe saudável e evitar que aconteça a transmissão transplacentária dos parasitos para os filhotes.

4 – Pulgas podem transmitir vermes?

Sim. Por isso, além de manter a vermifugação em dia, é importante deixar os pets livres de pulgas. Um dos principais vermes que estes parasitos transmitem pode causar a dipilidiose, uma verminose que atinge cães, gatos e até humanos. Um dos principais sintomas desta doença é o aumento do volume abdominal devido ao intestino infestado de larvas. Casinhas, almofadas, cobertas e o ambiente onde o animal transita também devem ser dedetizados para evitar a proliferação de pulgas.

© LABGARD SAÚDE ANIMAL