21 de agosto de 2019

Carrapatos em bovinos: proteja o rebanho das infestações no ambiente

Quem pensa que os carrapatos são um problema somente para os animais domésticos pode mudar de ideia. Produtores de grandes rebanhos devem ficar atentos para a infestação desses parasitos, pois a presença de carrapatos em bovinos é uma realidade que pode comprometer toda produção.

Por isso, combater a proliferação deve ser uma prática constante nas fazendas. Caso isso não aconteça, podem ocorrer prejuízos diretos e indiretos. Entre os diretos estão as consequências do efeito da picada como irritabilidade, miíases secundárias, danos no couro do animal, redução de peso e da produção de leite.

SAIBA MAIS: DOR E INFLAMAÇÃO EM BOVINOS – COMO EVITAR PERDAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA

Já as perdas indiretas estão relacionadas a fatores como maior custo com o tratamento parasitário, interrupção da produção decorrente do tempo de carência necessário após aplicação de ectoparasiticidas. Ou ainda a necessidade da reorganização das atividades produtivas quando é necessário deslocar os animais para tratamento.

Existem várias formas de acabar com as infestações: banhos de imersão, pulverização, aplicação tópica ou injetável. Além disso, algumas práticas de manejo devem ser adotadas, como mostramos a seguir.

Principais práticas de manejo para evitar carrapatos em bovinos

– Manter baixas as pastagens onde os animais circulam

– Adotar a rotação entre as áreas de pasto e entre espécies, intercalando ovinos e bovinos no campo

– Aplicar Bovecto Pour On em todo rebanho

O Bovecto Pour On é um ectoparasiticida externo, para uso direto no dorso dos animais. Sua fórmula possui um mecanismo de ação que elimina os parasitos por meio da paralisia de seu sistema nervoso. Além disso, o Bovecto possui poder de repelência para afastar os insetos que parasitam os bovinos. Por isso é indicado também para prevenir e eliminar infestação de bernes, mosca dos chifres, ácaros e piolhos.

SAIBA MAIS: COMO EVITAR AS PARASITOSES PULMONARES EM BOVINOS LEITEIROS

Após aplicação, é preciso respeitar o tempo de carência de 10 dias para o abate e três dias para a ordenha. A dosagem e o intervalo das aplicações do produto devem seguir as recomendações do Médico Veterinário e o programa adotado para controle dos ectoparasitos. Bem como as condições ambientais, nível de infestação e taxa de reinfestação do rebanho.

© LABGARD SAÚDE ANIMAL