3 de setembro de 2019

Alergias respiratórias e dermatológicas nos pets: efeito primavera

Com a chegada de setembro, crescem os casos de problemas como alergias. E não estamos falando apenas dos humanos. Os animais também merecem atenção para não sofrer com esses problemas. É por isso que precisamos identificar quando as alergias respiratórias e dermatológicas nos pets se manifestam, principalmente durante a primavera. 

Isso acontece por causa das mudanças bruscas de temperatura combinada com o fenômeno da polinização. Mas além das reações ao clima que desencadeiam processos alérgicos, esse tipo de doença nos pets geralmente é causada por bactérias e vírus.

No caso dos processos alérgicos, podem se manifestar de duas forma: em reações atópicas ou respiratórias. As causas variam entre pólen, perfumes usados após o banho dos pets, ácaro, produtos de limpeza, mofo, plantas, remédios ou alimentos. 

SAIBA MAIS: ALIMENTOS QUE PROIBIDOS PARA PETS – VEJA O QUE CÃES E GATOS NÃO PODEM COMER

Já no caso das reações respiratórias, os sintomas mais comuns são dificuldade de respirar, espirros contínuos, chiado no peito, febre e desidratação. E quando a reação é dermatológica, pode surgir descamação na pele, coceira em excesso, vermelhidão e até lesões.

Apesar de preocupantes, essas enfermidades podem e devem ser evitadas, como mostramos a seguir.

Como evitar as alergias respiratórias e dermatológicas nos pets

Quem tem cães e gatos em casa precisa estar sempre atento ao que eles estão aprontando. Principalmente nessa época do ano, quando plantas e variações climáticas podem influenciar na saúde deles. Por isso, para evitar o surgimento de alergias respiratórias e dermatológicas nos pets, o melhor é ficar sempre de olho nos locais por onde circulam.

Sempre que suspeitar que algo possa causar danos, afaste dos animais. Caso essa identificação não seja possível, procure um Médico Veterinário para examinar o animal e, se necessário, solicitar exames de sangue para avaliar.

Mas além disso, outros cuidados podem ser tomados, como manter sempre secos os locais onde transitam, secar bem o pelo após o banho para evitar o surgimento de fungos e aumentar a escovações para facilitar a ventilação da pele.

Principais doenças alérgicas em cães e gatos

Esporotricose

Essa é uma doença que afeta os gatos. É caracterizada como uma micose altamente contagiosa. Sua transmissão acontece por meio de fungos que penetram em lesões causadas por galhos de árvores, espinhos de plantas ou farpas de madeira. Sua incidência nesta época está ligada ao fato dos animais ficarem mais tempo na rua, por causa do clima agradável. Nestes passeios, podem contrair a doença pelo contato com outros felinos infectados.

Pneumonia

Muitos donos de pet podem pensar que a pneumonia é uma doença que se manifesta apenas no inverno. No entanto, a mudança de temperatura com dias quentes e noites mais frescas da primavera também pode ser um risco para o aparecimento dessa enfermidade. Um simples resfriado que eles contraiam, se não for cuidado com atenção, pode evoluir para uma pneumonia. Parasitas, fungos, vírus e bactérias são os principais causadores da doença. Ela se apresenta principalmente por dificuldade de respirar, tosse intermitente, febre, secreções e corrimentos nasais.

SAIBA MAIS: ALERGIAS EM CÃES E GATOS NO VERÃO – ATENÇÃO AOS CUIDADOS

Alergia à picada da pulga

Quando cães e gatos são picados por uma pulga, ela injeta sua saliva nos animais. É essa secreção que causa alergia em alguns pets. Uma das formas mais comuns da doença se manifestar é por meio de inflamação cutânea. Além da coceira excessiva, a região afetada pode apresentar perda de pelos e até descamação.

Principais tratamentos para as alergias em cães e gatos

Antes de conhecer os tratamentos mais indicados para alergias em cachorros e gatos, é sempre necessário consultar um Médico Veterinário. Nunca ofereça qualquer medicamento a seu pet sem prescrição de um especialista. Além disso, siga todas as orientações do profissional e não interrompa o tratamento antes do período indicado por ele.

Na maioria dos casos, quando o diagnóstico é de alergias respiratórias ou dermatológicas causadas por bactérias, a indicação é para uso de antimicrobianos como o Clavugard. O medicamento associa em sua fórmula clavulanato de potássio e amoxicilina tri-hidratada. Sua ação degrada as enzimas que protegem as bactérias e potencializa a ação do remédio contra infecções.

Está disponível em três apresentações: mini, medium e maxi, com comprimidos bissulcados, divisíveis e palatáveis para facilitar a ingestão e o tratamento.

Em outras situações, se o diagnóstico aponta afecções alérgicas, a indicação é para uso de anti-inflamatório esteroidal, como a dexametasona. Este é o principal ativo do Dexagard, medicamento que possui ação antialérgica e age também nos casos de dermatoses inespecíficas, eczema de origem sistêmica e atópica. Além de inflamações variadas como síndromes dolorosas, nervosas ou musculares.

© LABGARD SAÚDE ANIMAL